Troca da fralda: um momento especial que vai muito além da higiene

Já parou para pensar quanto, do tempo em que o recém-nascido está acordado, ele passa no trocador tendo suas fraldas substituídas? Diferentemente das fraldas que são descartadas no lixo ou no cesto de roupas para lavar, o tempo no trocador não pode ser desprezado ou subestimado, pois trata-se de um tempo precioso no que diz respeito às experiências sensoriais e afetivas estabelecidas entre o bebê e seu cuidador.

No trocador o bebê é tocado, mordiscado, cheirado, beijado – carinhos que o ajudam a estabelecer uma relação prazerosa com o próprio corpo. O toque, acompanhado da troca de olhares entre o bebê e seu cuidador, provoca um mútuo encantamento. Ambos se olham fascinados, abrindo espaço para uma comunicação muitas vezes acompanhada de palavras, sorrisos, cantigas e brincadeiras por parte do adulto (a ausência da troca de olhares deve ser compartilhada com o profissional de saúde que os acompanha, pois um deles ou a dupla pode estar em sofrimento).

Quando o bebê cresce um pouquinho, por volta dos dois meses, ele começa a ecoar sonzinhos com a intenção de se comunicar. Mais ou menos aos quatro, passa a imitar o que seu cuidador faz com a boca e com as mãos. A partir do quinto ou sexto mês, o bebê interage mais, tentado pegar no rosto de quem cuida dele. Logo mais, entre o sétimo e oitavo mês, o bebê dispara a “conversar”, convocando mais e mais o adulto através de seus gestos e brincadeiras.

Um adulto dedicado certamente responde a estas e outras gostosas provocações repetindo os sons emitidos pelo bebê e introduzindo novos, imitando o bebê e deixando-o imitar, traduzindo essa língua singular e contando o que faz com o corpo do bebê – inclusive nomeando as partes do corpo que são tocadas.

Nessa comunicação, o adulto pressupõe o que o bebê pode estar sentindo. Quando atento, ele aguarda e observa a resposta do bebê para que possa oferecer-lhe o que o pequeno precisa, tanto material quanto emocionalmente (a partir do segundo semestre de vida, o bebê estará cada vez mais hábil em colaborar nos momentos das trocas de fraldas – basta dar-lhe a chance).

Essa riqueza das trocas afetivas faz com que o trocador não seja apenas lugar para deixar o bebê limpo, mas um lugar para também brincar, interagir, se relacionar, fortalecer o vínculo e entender quais as necessidades e os desejos do bebê. O bebê pode querer apenas ter suas fraldas trocadas para logo ir dormir, mas pode querer brincar, convocar o adulto para estar com ele, descobrir o que tem ao seu lado ou mesmo dentro da fralda – sim, os bebês geralmente descobrem seus genitais na troca das fraldas, o que deixa muitos adultos um tanto atordoados.

Com o corpo desnudo, o bebê se toca e descobre o prazer em se tocar. O menino, ao manusear o pênis, provoca a ereção. A menina, leva sua mão no local onde sente sua urina passar. Ela se toca podendo até mesmo introduzir o dedinho na vagina. Se essas situações tiram o adulto do eixo, corre-se o risco de as trocas de fralda se tornarem um momento de cuidados mecânicos e higienista, risco que também existe quando não se compreende a importância das trocas afetivas em outras situações corriqueiras de cuidados com o bebê, como o banho ou a alimentação.

Para o bebê, não é justo interromper a investigação em seu próprio corpo; a investigação sempre será o motor da aprendizagem. Também, quanto mais o adulto valoriza a manipulação através de suas intervenções, mais excitado o bebê fica. Respeitar a exploração do bebê neste momento que é dele, é uma forma de comunicar-lhe que a masturbação faz parte de seu universo privado. Mais tarde, quando ele crescer, entenderá que a masturbação só deverá acontecer em espaços privados e sem a participação de adultos.

As descobertas e explorações do bebê no trocador não param por aí. Entre dez e doze meses, e no período que sucede, o bebê não para quieto e tenta a todo custo ficar em pé. Se ele quer ficar em pé, por que não deixar? Por que não trocar sua fralda da maneira que mais atende ao pedido de seu corpo?

Na medida em que os sinais do bebê são compreendidos e suportados pelo adulto, estabelece-se um diálogo (mesmo com nenhuma ou poucas palavras por uma das partes) que contribui para a construção da tão necessária segurança que todos os humanos precisam para viver. Esse jogo que acontece entre o bebê e seu cuidador vai esboçando o modelo relacional da dupla, tanto nas trocas de fraldas como em outras circunstâncias cotidianas da vida do bebê (e vice-versa) – não é por acaso que alguns bebês se comportam de modo muito diferente nas trocas de fraldas (e em infinitas outras situações) conforme a pessoa que exerce o cuidado. Dessa forma, cada minutinho no trocador precisa ser valorizado e aproveitado, afinal, as trocas que nele ocorrem vão muito além das fraldas.

Anúncios

Atendimento online a gestantes, puérperas, casais, pais e responsáveis pela educação de crianças entre 0 e 6 anos

Ano novo, novos encontros!

É com muito prazer que apresentamos um desdobramento do blog Ninguém cresce sozinho, o Rodas de Conversa Ninguém cresce sozinho.

O Rodas de Conversa Ninguém cresce sozinho é um espaço virtual de acolhimento a gestantes, puérperas, casais, pais e responsáveis pela educação de crianças entre 0 e 6 anos. O acolhimento se dá por meio de encontros individuais ou grupais, mediados por uma das psicólogas de nossa equipe. Os encontros buscam reconhecer os recursos de cada mulher e homem, ajudando-os a dar novos significados à experiência materna/paterna e, assim, propiciar que cada mulher/homem possa fazer escolhas mais livres e conscientes em sua tarefa de ser mãe, pai e se relacionar com a criança.

Em nossa Agenda você encontra as datas e horários de nossos próximos encontros, aqui os grupos que oferecemos e  aqui como o site funciona.

Vem pra Roda com a gente!

Abraço,

Equipe Ninguém cresce sozinho

logo RCNCS retangular

Chá de bebê: que ritual é este?

Não sei quando os chás de bebê surgiram – gostaria muito de saber. Mas lembro-me que no meio em que vivi os anos 80, 90 e início dos 2000, os chás de bebê eram oferecidos pelas amigas da gestante, na casa de uma delas. Cada uma contribuía com algum come e bebe e um produto de higiene ou cuidado do bebê. Era uma tarde gostosa e solidária, em que a gestante era o centro das atenções, com as mais velhas contando para a futura mãe para que servia cada um daqueles presentes. O “chá” era um fio que tecia a rede de apoio daquela mulher-mãe, tão necessária para a construção da maternidade.

De uns 10 anos para cá, ou mais (não sei precisar esta data), observo algumas mudanças no formato dos chás de bebê. Agora são as gestantes quem o oferecem, e a pequena reunião de mulheres-amigas transformou-se em uma grande festa com a presença de homens. Se esta mudança fosse pessoal e não cultural, não teríamos esse modelo sendo seguido por tanta gente. Então, que mudança cultural é essa?

Na classe média e alta, por exemplo, os casais têm engravidado cada vez mais tarde, e os filhos têm se tornado um projeto de vida que vem depois de alguns outros (carreira, viagens, casa própria, etc.). Esse projeto, às vezes único e demasiadamente esperado, tem colocado o bebê num lugar de destaque na vida familiar, com o mundo girando ao seu redor, de um modo bem diferente de como foi para grande parte nossos antecedentes, quando um filho era apenas mais um membro na família.

Com os filhos sendo um projeto de vida, tem sido necessário garantir que tudo que os envolve ocorra sem deslizes neste mundo em que somos vigiados, controlados e comparados o tempo todo para além do grupo familiar e social mais próximo. Ainda com o bebê no ventre é preciso compartilhar com o entorno a boa mãe e o bom pai que estão por vir, a mulher-maravilha e o super-homem que dão conta de tudo. As mulheres-mães e os homens-pais são cobrados (inclusive por eles mesmos) deste lugar de perfeição, em que não há falhas, faltas, tristezas, inseguranças, angústias e saberes próprios. Se a festa sair conforme planejado, se o enxoval contemplar todas as coisas que o bebê precisa, se o quarto parecer com o exposto na revista de decoração, e assim por diante, a mãe e o pai são/serão bons – para não dizer perfeitos. Lógica estranha, não? Perfeito, quando muito, são os robôs.

Numa sociedade em que buscamos no olhar macro o olhar antes ofertado por aqueles mais próximos a nós, mas que agora estão mergulhados em seus afazeres, faz sentido cumprir à risca este ritual que se aproxima mais dos rituais de consumo do que dos rituais de iniciação ou passagem.

No primeiro modelo de chá de bebê aqui descrito a mulher é o centro das atenções. Ela é cercada de outras mulheres que cuidam (com comes, bebes, organização do “chá”) e dividem suas experiências (com presentes úteis e explicação de seu fim), acolhendo e dando suporte à gestante. Nesse sentido, o chá de bebê é um ritual de iniciação e passagem da mulher para a mãe do bebê que ela espera. A gestante é “maternada”, favorecendo-a maternar seu bebê. O chá de bebê é, ainda, uma oportunidade para a mulher organizar e até mesmo testar quem será sua rede de apoio após o nascimento do bebê.

No segundo modelo é a gestante, com ajuda do marido ou de terceiros, normalmente prestadores de serviço, quem organiza e oferece o “chá”, algumas vezes apenas porque ele tem que ser feito porque todo mundo faz ou porque seu meio exige.

Ora, se tem que fazer porque todo mundo faz ou porque seu meio exige, temos um ritual que pode não ser de passagem, mas sim a repetição do modelo de que para ser é preciso ter – para ser boa mãe e/ou bom pai, é preciso fazer o chá de bebê, o enxoval com tais e tais itens, ter as lembrancinhas da maternidade, a roupinha especial para voltar para casa, entre outros. Se tenho que, onde fica a autenticidade e a espontaneidade tão importantes para que os pais estabeleçam uma conexão verdadeira com seu bebê?

Quanto aos homens, eles podem participar dos rituais de chegada do bebê porque para eles estes rituais também os introduz em seu papel paterno. A questão é como participam. São apenas um apêndice da mulher, que faz o que ela pede e determina? Planejam e executam junto, “sonhando” o bebê? Fazem as interdições necessárias (função essencial da paternidade) quando, por exemplo, questionam se são necessários tantos preparativos para um simples chá de bebê?

Numa época em que a rede de apoio à gestante e à parturiente nem sempre consegue oferecer o que a mulher precisa, o homem vem tendo uma importância inédita na gestação e no pós-parto. Para o vínculo com mulher-mãe e seu bebê, bem como para a construção deste pai, essa é uma experiência de grande valor. No entanto, é preciso lembrar que a gestação, o parto e o pós-parto são eventos que demandam da mulher o suporte de outras mulheres que possam tanto servir de modelo como simplesmente apoiar, ajudar, confortar e apostar em suas capacidades. Se o chá de bebê cumpre com esta função ele é um importante ritual da gestação e da construção da maternidade. Se não… ele é apenas uma reunião social, que pode ser muito gostosa, mas perde a oportunidade de ser algo a mais, muito a mais.

Temos que falar sobre isso

Neste texto escrevi um pouquinho sobre o quanto os blogs maternos – e outras redes sociais – têm cumprido com um importante papel no apoio e, consequentemente, na construção da identidade de muitas mães.

As vivências da maternidade, incluindo a gestação e o parto, são intensas e muitas vezes bastante solitárias. Viver cada uma destas experiências em silêncio geralmente é muito perturbador. Falar sobre elas é um caminho para elaborar o que foi vivido, e assim, encontrar novos significados para a experiência. Por isso, mães contam e recontam inúmeras vezes sobre sua gravidez, parto, pós-parto, amamentação, relação com a família, com o bebê, com o trabalho e sobre tudo que muda com a maternidade.

Temos que falar sobre isso é uma dessas redes de apoio virtual. Idealizada por Thais Cimino, o Temos que falar sobre isso é uma plataforma de relatos anônimos de mães que tiveram depressão pós-parto, transtornos ligados à saúde mental na maternidade, transtornos no período perinatal (desde a concepção até o primeiro ano do bebê), dificuldades durante a gravidez, problemas com amamentação, perda gestacional, partos traumáticos e violência obstétrica. A plataforma também reúne uma série de textos sobre estes temas, incluindo os publicados pelo Ninguém cresce sozinho.

Clique aqui para conhecer esta rede! Ou junte-se a ela pelo Facebook.

Logo TQFSI

Parir é mais do que dar à luz a um bebê

A maneira como a mulher vive a gestação, o parto e o pós-parto refletem de modo significativo na relação que ela estabelece com o bebê e na construção da maternidade. Por isso, a atenção que ela recebe ao dar vida a alguém deve levar em conta não apenas o corpo biológico, mas também sua subjetividade.

A experiência do parto, mesmo sendo curta em comparação ao tempo do gestar e dos primeiros meses de vida do bebê, é profunda e, muitas vezes, transformadora. Uma mulher que pode participar ativa e positivamente em seu parto, comumente experimenta, com muita intensidade, elementos que estarão presentes ao longo de sua jornada materna. Entre eles destaca-se:

Tempo de espera: o tempo do trabalho de parto é um tempo determinado pelo bebê. Respeitar este tempo significa suportar a existência do “outro” e do desconhecido, o que, ao longo da relação com o bebê facilita reconhecer o que é de cada um.

Conexão emocional: uma mulher conectada a si mesma é uma mulher que pode estar inteira em sua vivência. Isso lhe possibilita (re)conhecer não apenas sua potência mas também seus próprios limites. (Re)conhecer os próprios limites é um dos exercícios mais difíceis e necessários na maternidade. Este reconhecimento garante não apenas a integridade dos espaços físico e mental da mãe como também ajuda a construir os do bebê. Mesmo estando psiquicamente fusionado à mãe, o bebê pode ser por ela reconhecido como alguém diferente dela.

Dor e prazer: a experiência de suportar e transcender a dor coloca a mulher como protagonista da própria história, impedindo-a que fique numa posição passiva. A mãe “sabe”; a mãe pode experimentar porque confia em suas percepções e sensações. Mais confiante, ela transmite maior segurança ao bebê.

Embora sejam inúmeras as vantagens de uma mulher entrar em trabalho de parto, prevalece em nossa sociedade um número excessivo de cesárias previamente agendadas desnecessariamente.  Não é por menos. Vivemos o tempo do imediato, da analgesia e da conexão desconexa. Esperar torna-se, em muitas situações, insuportável. Nosso tempo é o tempo do entupimento, o tempo em que não se vive a falta, o vazio, a dor. Por ínfima que esta seja, ela precisa ser aplacada por um agente externo porque nem sempre encontramos mecanismos internos ou apoio vindo do ambiente para minimizá-la. Estamos conectados a tudo, a todos, mas não a nós mesmos, o que dificulta reconhecer nossas demandas e as demandas do meio ao qual estamos inseridos. Consequentemente, fica difícil reconhecer aquilo que o bebê necessita e solicita.

Uma mulher que não tem um parto normal desenvolve a capacidade de conectar-se verdadeiramente ao seu bebê (a adoção é um exemplo disto). No entanto, observa-se que este tempo pode ser um pouco maior ou mais turbulento, já que a mulher deixa de se beneficiar da quantidade de substâncias naturais que o corpo produz para a recepção do bebê.

Quando uma mulher opta por um ou outro tipo de parto, porque ela pode fazer a opção e não porque ela não tem escolha (por imposição ou por necessidade clínica), ela diz de sua relação com seu corpo, seu psiquismo e seu bebê. Se de cara ela diz que quer programar uma cesárea é muito provável que ela esteja capturada pelo tempo do imediato, da analgesia e por fantasias que lhe são perturbadoras. Um silêncio consentido de quem a acompanha (lembrando que não é apenas o médico que tem este papel, mas todos que estamos à sua volta) aborta a oportunidade de trazê-la para o tempo da espera, do desconhecido, da dor, mas também do prazer e da descoberta. Essa é uma mulher que pode ser convidada a pensar nessa captura, mas jamais deve ser “forçada” a um parto vaginal – dependendo como ela está capturada por esse tempo e fantasias, o parto natural pode ser uma violência.

A gestante que recebe um falso apoio ou uma imposição contrária ao parto que ela almeja (não estou me referindo a situações em que a saúde da mãe e/ou bebê está em questão) recebe também a mensagem de que seu desejo não tem valor. Emocionalmente, esta mulher fica esvaziada num momento em que precisa de muita entrega ao bebê. Por isso, é fundamental que as conversas com a equipe que a acompanha durante a gestação e o parto sejam francas e continentes. Para confiar e se entregar, a relação com a equipe e com quem está perto dela, como a família e amigos, deve ser honesta e levar em conta a singularidade de cada mulher e situação.

O tempo do gestar, do parir e do maternar pedem um tempo que não corre no relógio. Um tempo em que o apoio e o respeito à mãe e ao bebê são a essência para um vínculo forte e saudável. Apostemos neste tempo!

%d blogueiros gostam disto: