Tenho medo que meu filh@ seja gay

Temos recebido nos comentários dos posts que abordam a sexualidade infantil muitos relatos de cenas com criança beijando um amiguinho, ou esfregando, cheirando e/ou manipulando o genital ou ânus de outra criança de mesmo sexo e idade. Estas cenas causam espanto e dúvida a muitos pais, que se perguntam e nos questionam: “Tal situação pode dizer algo sobre a orientação sexual de meu filh@?”; “Meu filh@ pode ser/tornar-se gay?”.

Curiosas por natureza, e em contato com a diversidade, as crianças, por volta dos três anos, começam a querer saber a origem de tudo e os porquês, incluindo as questões de cunho sexual. Além da auto-exploração corporal, que se intensifica nesta fase da vida, é comum as crianças repetirem nas brincadeiras comportamentos adultos e experimentarem a troca de papeis. Como na brincadeira, a fantasia não encontra limites, a representação dos universos masculino e feminino aparece sem obstáculos: dois meninos ou duas meninas podem se beijar e se acariciar; querem ser a mulher/homem na relação, independentemente de seu sexo, e, muitas vezes, desejam se vestir e “ser” como o sexo oposto.

Desde que não estejam vulneráveis e expostas a fatores agressivos, como a coação, as brincadeiras e manifestações sexuais infantis têm caráter exploratório e não revelam a orientação sexual da criança. O que está em jogo para as crianças é a curiosidade e a busca pelo entendimento sobre as diferenças que as pessoas e o mundo lhes apresentam.

No entanto, sabemos que muitas crianças estão apresentando brincadeiras e comportamentos que fogem do aspecto puramente exploratório esperado em cada faixa etária. É preciso ficar atento à exposição precoce a conteúdos sexuais adultos e também à vulnerabilidade sexual infantil, que colocam as crianças diante de experiências que desrespeitam sua imaturidade biológica e psíquica.

Se a curiosidade e a exploração fazem parte do desenvolvimento saudável das crianças, por que alguns pais se incomodam quando se deparam com tais vivências de seus filhos e com a possibilidade de escolha sexual destes? Consideremos alguns aspectos relevantes.

Em uma sociedade que por muitos anos definiu os papeis de homem e mulher, masculino e feminino, de um modo muito rigoroso, a diversidade sexual, ainda é um tabu para muitos, o que leva adultos a negá-la e rejeitá-la.

A diversidade – e portanto as diferenças – aciona nossos pré-conceitos pessoais e sociais, acendendo nosso olhar pejorativo e discriminatório. Em busca de um dito padrão de “normalidade”, e quase sempre incomodados com os julgamentos e retaliações que eles próprios e seus filhos possam vir a sofrer, pais se angustiam com o fato de seus filhos poderem ser “diferentes” daquilo que imaginaram ou do que seu ambiente espera.

É comum pais, na ânsia de formar seus filhos de acordo com seus princípios e valores, esquecerem de colocar seus ideais e expectativas em uma posição que permitam seus filhos construírem sua própria identidade, descoladas das deles. Revela-se, assim, fortemente o desejo dos pais em relação à orientação sexual e aos papéis sociais que serão desempenhados pelos seus filhos no futuro. Diante da possibilidade de algo “dar errado” ou “sair fora daquilo que esperavam e desejavam”, instala-se no adulto o medo e culpa, além de frustração e, em alguns casos, rejeição e sentimento de fracasso. Neste sentido, é preciso que os desejos dos pais em relação aos desejos dos filhos sejam separados e entendidos individualmente para que a criança não seja sufocada em suas possibilidades e escolhas, seja ela qual for.

Pai, mãe e outros adultos de referência são modelos importantes para as crianças, positiva ou negativamente. Meninos se identificam com pai e gostam de outros homens desejando ser igual a eles, mas também se identificam com a mãe e as têm como referência.  Um paradigma existente em toda formação de identidade. A partir de um espelho – feminino e masculino – e das vivências tidas na infância, vão construindo a identidade sexual.

Frente às experiências vividas pelas crianças, muitos adultos têm dificuldade em olhar para a curiosidade e a manifestação sexual infantil sob o ponto de vista da criança. Atravessados pelos estereótipos sociais e carregados pela própria história e educação que receberam, muitos pais se enroscam no discurso e/ou em atitudes que confundem a si próprios e, por consequência, a criança.

Falta de informação, vergonha, culpa e outros sentimentos impedem muitos adultos de tratarem a sexualidade das crianças como algo natural. Na tentativa de querer “corrigir” comportamentos infantis (ao invés de compreendê-los) criam conceitos e regras que impedem a criança de experimentar e descobrir coisas e conceitos sobre a vida e tudo que ela lhe mostra de diferente. Ou ainda, criam rótulos com os quais a criança às vezes tem que carregar por toda vida, sem compreender qual o seu sentido.

Uma coisa sabemos e podemos compartilhar: a definição sexual de um indivíduo se dá pela interação entre fatores biológicos e ambientais bastante diversos e complexos. Por isso, podemos dar como certo que as brincadeiras – sozinhas – não definem a orientação de sexual de um indivíduo. Antes de induzir qualquer significado em determinados comportamentos infantis é preciso entender que através do livre brincar, crianças experimentam, aprendem e matam a curiosidade sobre vários aspectos existentes no mundo que a cerca.

__________________________________________________________________________________________

O Ninguém cresce sozinho oferece Rodas de Conversa sobre sexualidade infantil. Para saber quando elas acontecem, consulte nossa Agenda.

__________________________________________________________________________________________

Anúncios

Qual o limite entre o corpo dos pais e o corpo dos filhos?

Tenho uma filha de 4 anos (quase 5) e sempre tomamos banho juntas. Ela faz algumas perguntas sobre os órgãos sexuais dela e os meus, principalmente comparando-os – pergunta se quando eu era criança tinha o “peitinho” igual ao dela e fala que minha “periquita” é feia com pelos, que eu deveria tirar; pergunta se quando for adulta será “igualzinha” a mim e respondo que ela será parecida, mas não igualzinha. Ela não gosta muito, pois diz que quer ser “igual”, mas explico que ninguém é igual a ninguém de forma tranquila e ela compreende. Ela gosta muito de vir e envolver meus seios com as duas mãos, encostando o rosto e beijando; fala que são “tão fofinhos”, mas vejo como carinho. Ela foi amamentada até os 2 anos completos e quando está aflita sem conseguir dormir, vem para minha cama e coloca a mãozinha nos meus seios por baixo da roupa e daí consegue dormir, como se se sentisse segura.

Nos beijamos de “selinho”, tanto ela comigo quanto com o pai, mas ensinamos que só pode conosco. Algumas vezes vejo que beija as amiguinhas na boca e todas curtem (selinho). Procuro chamar atenção suavemente, dizendo que não se beija as pessoas na boca, só o papai e a mamãe. Ocorre que diversas vezes ela vem me beijar de selinho e tenta beijar virando a boca (como os beijos das princesas nos filmes infantis). Levo na esportiva e faço alguma palhaçada com o beijo dela, brincando que vou morder, ou que tem gosto de chocolate ou de chulé, etc., mas ela me agarra e tenta beijar de qualquer jeito, daí eu digo: filhinha… sério, não faz isso não, não é bonito, só pode selinho.

Pergunta 1: Essa questão dos seios é normal? Não me incomoda, mas me preocupo com o limite disso, até quando é normal deixar.

Pergunta 2: A questão do beijo é normal? (ela só faz isso comigo, não faz com o pai ou amiguinhos). Como devo agir com ela?

Pergunta 3: Até uns 2 anos de idade eu não me incomodava que ela tomasse banho com o pai (ambos nus), até que um dia percebi que a altura dela dava bem na altura do pênis do meu marido, e aí passei a não ficar confortável com isso. Teve um dia que ela falou: “Nossa papai, deixa ver seu rabo” (se referindo ao pênis), ele disse: “Não é rabo, é o piupiu do papai”. Bem, ele não se incomoda e as raras vezes que vai dar banho nela continua ficando nu. Já pedi que parasse diversas vezes, até a pediatra disse que não é legal por conta da curiosidade da idade, mas ele não se importa, diz que se ela toma banho comigo pode tomar com ele também.

Atualmente estamos nos divorciando e me preocupo com os dias que ela passará com o pai, ele nunca fez nada que me fizesse pensar qualquer coisa, mas eu acho estranho o fato dele insistir em tomar banho com ela nu desnecessariamente, mesmo sabendo que me incomoda muito (já brigamos muito por isso). Minha preocupação não é ela ficar nua na frente dele, ela é só um anjinho, mas ele na frente dela, fico muito incomodada, pois nunca vi um homem nu na minha infância. É normal essa insistência dele em ficar nu na frente dela? Devo me preocupar ou deixar pra lá?

Uma menina entre os 45 anos está vivendo o ápice de sua identificação com a mãe, o que a faz querer ter um corpo com formas e volumes. Contudo, essa admiração da filha pela mãe geralmente vem acompanhada, em nível inconsciente, de uma inveja danada da menina por não ter um corpo “igual” ao da mulher que tanto ama. Isso pode resultar em pequenos “ataques”, como achar a genitália adulta feia.

Na situação descrita pela leitora, o “ataque” parece também ter sido a maneira encontrada pela criança para dizer que sua pergunta não foi respondida em sua essência (mesmo ela tendo sido bem respondida pela mãe). Muito provavelmente ela sabe que as pessoas não são iguais, mas quer se assegurar de que um dia será “igualzinha” à mulher adulta. Ser igual, para esta menina, tem sentido diferente do atribuído por sua mãe – sutilezas presentes nas entrelinhas das questões que as crianças nos apresentam!

Ao mesmo tempo em que o corpo materno é admirado e invejado pela filha, ele representa segurança para ela. Neste caso específico, o seio carrega fortemente esta marca. Porém, na medida em que a criança deixa de ser amamentada, é importante que ela desenvolva e encontre outras formas de sentir-se segura, seja porque na ausência materna não poderá contar com o corpo da mãe, seja porque começa a ficar um tanto confuso para os pares desta relação a serviço do que e de quem estão os seios maternos. Cabe a seus adultos de referência ajudá-la a desenvolver e encontrar substitutos a esses seios.

Confusão semelhante parece ocorrer com o “selinho”. Embora algumas famílias optem por permiti-lo entre as pessoas mais próximas e íntimas, vivemos em uma cultura que encara o beijo na boca como um gesto de enamorados. Com isso, o discurso que vem de casa esbarra em reguladores sociais, colocando a criança diante de duplas mensagens, como beijos na boca dos pais serem permitidos, mas a expressão desse carinho – beijo – ser proibida com outras pessoas por quem se sente carinho ou ser “feio”, quando é apresentado de outra forma que não o “selinho”.

Quando falamos em beijo ou em banho não há como não fazer referência à sexualidade, ao prazer e à intimidade. Em se tratando de uma criança com 4-5 anos, impossível não nos referir também à curiosidade, o motor de conexão com o mundo e da aprendizagem. Ela é boa, saudável e necessária, e existirá independente das autorizações ou proibições familiares e sociais. A grande questão é como a criança lida com a ambiguidade dessas autorizações e proibições.

Na situação aqui relatada, não se pode ignorar o fato de os pais estarem se separando. Nas separações não são apenas os corpos que passam a ocupar espaços físicos diferentes, mas é colocada uma lente de aumento em toda experiência relacionada às diferenças de conduta entre o casal parental. Por isso, o melhor a fazer é, primeiramente, a mãe poder reconhecer quais conteúdos pertencem a ela e não à filha (como nunca ter visto um homem nu na infância) e, num segundo momento, poder pensar e acordar com o pai quais serão as condutas que terão com a filha no que se refere às questões ligadas ao corpo.

__________________________________________________________________________________________

O Ninguém cresce sozinho oferece Rodas de Conversa sobre sexualidade infantil. Para saber quando elas acontecem, consulte nossa Agenda.

__________________________________________________________________________________________

Quando o amigo imaginário aparece na vida de uma criança

Por Verônica Esteves de Carvalho e Claudia Y. Vargas Riveros*

Uma leitora nos pergunta: Gostaria de saber a respeito da normalidade ou não de uma criança de 6-7 anos de idade ter amigo imaginário. Qual é a idade em que isso acontece e que é considerada normal? E quando é necessário manter a atenção e pensar em uma investigação?”.

Em que contexto a criança pode criar e/ou ter um amigo imaginário? Esta é a primeira questão que pais ou adultos que convivem com a criança precisam observar e analisar antes de julgarem situações onde se faz presente alguém que imaginariamente compartilha eventos de todos os tipos durante um determinado período da vida da criança.

Diante deste amigo, é preciso olhar e entender o ambiente – familiar, escolar e social – que esse imaginário aparece e o “uso” que a criança faz dele. Esse amigo é visto e tido como extensão da criança? É alguém que oferece suporte, segurança ou proteção emocional a ela?  Ela o torna presente com qual finalidade?

Comumente, entre os 3 e 56 anos de idade, as crianças, através da imaginação, dão forma ao que sentem, percebem, experimentam e, também, ao que não entendem  afetiva e cognitivamente. É nesta fase que elas curtem e vibram com os contos de fadas e super-heróis, desempenham papeis, criam personagens, colocam-se na história, com direito a todas as emoções que surgem neste ato criativo. A fantasia e a imaginação se fazem parte de seu cotidiano, permitindo-as vivenciar situações e se fortalecer emocionalmente.

Nesse cenário pode surgir o amigo imaginário como forma da criança conversar, desabafar, brincar, brigar, dividir suas frustrações, dificuldades, tristezas, desejos, aspirações e conquistas. “Alguém” que interage com a criança e pode acalentá-la diante de seus sentimentos, relacionamentos e questões que ela vivencia. Um “amigo” que acompanha a criança, frente às mudanças sentidas por ela como algo temeroso e/ou ameaçador (como por exemplo, um irmãozinho que nasce; separação dos pais; casa ou escola nova; perda ou doença de uma pessoa próxima e afetivamente querida), situações estas, onde a criança apresenta dificuldade para compreender ou assimilar o que está acontecendo consigo e no ambiente que a cerca.

Da mesma maneira que usam a chupeta, o ursinho ou outro objeto (elegível pela criança), o amigo imaginário vem para oferecer segurança à criança. Por isso, em muitos momentos não está relacionado a algum problema emocional ou de comportamento.  Mas, pode sinalizar uma lacuna ou um espaço em aberto, que espera ser preenchido por uma realidade acolhedora e segura e/ou uma tentativa da criança integrar suas experiências e de tornar acessível ao seu mundo à realidade que não consegue entender e absorver.

Não menos, um amigo que a criança “usa” para defender-se, proteger-se e, até mesmo, desculpar-se de algo que ainda não dá conta de suportar porque lhe faltam recursos emocionais e cognitivos para processar determinadas vivências. Alguém em quem a criança projeta comportamentos, emoções e atitudes que ela própria não consegue incorporar ou compreender. Quem nunca viu uma criança colocando a responsabilidade de algo que fez e não foi legal em outra criança, seja ela imaginária, sem nome ou real? Com ajuda de um amigo imaginário, crianças podem elaborar experiências vivenciadas na realidade.

É válido ressaltar que, nenhum companheiro imaginário pode afastar a criança de suas atividades rotineiras, nem substituir a convivência com crianças reais. Desde que a fantasia não se sobreponha à realidade, todo amigo invisível é amigo acalentador e saudável para a construção psíquica e cognitiva infantil. Se o amigo imaginário cria distância da realidade, a ponto da criança negá-la ou isolar-se, é necessário avaliar sua presença na vida dela.

* Claudia Y. Vargas Riveros é psicóloga (CRP-06/42484-3). Atende crianças, adolescentes e adultos dentro da abordagem junguiana em seu consultório na cidade de São Paulo.

Do que seu filho tem medo?

Existem coisas que chamamos de medo, mas é outra coisa.

Existem medos que chamamos de outra coisa, mas é medo.

Existem medos, medinhos e medões.

Às vezes o medo é do desconhecido.

Outras vezes, é o conhecido que causa medo.

Medo é um amontodado de sentimentos inominados. Por isso, cada medo vem acompanhado de angústia que faz gente grande e pequena chorar, gritar, tremer, paralisar, perder o sono, querer colo, um abraço ou apenas a segurança de que nada de mal acontecerá.

Na infância, muitos medos são representados por figuras que devoram, engolem, colocam fim à possibilidade de existir. Por isso os monstros, o lobo mau, os dragões, fantasmas e bichos papões são tão assustadores e aterrorizadores. Eles representam angústias relacionadas à separação e perdas.

O melhor jeito de vencer o medo é brincar com ele, falar sobre ele. Não de uma maneira corretiva ou punitiva, como se o medo fosse uma grande besteira. Para quem sente medo, ele não apenas é real como tem proporções gigantescas!

medo do bicho papão

Para falar dos medos cotidianos, gosto do que a mãe de uma menina com 4 para 5 anos fez com sua filha que acordava todas as noites dizendo que tinha um lobo mau em seu quarto. Na primeira, segunda e terceira vez a mãe respondeu que não havia lobo mau algum e que a menina podia voltar a dormir. A pequena bem que tentava, mas logo voltava até o quarto da mãe para dizer que o lobo continuava amedrontando-a.

Então, a mãe decidiu perguntar onde o lobo estava. A menina apontou para a parede colada a sua cama, e a mãe, no meio da madrugada, deu uma bronca enorme no tal do lobo, dizendo para que ele fosse embora e deixasse sua filha dormir. A menina se tranquilizou e voltou a dormir. Cada vez que o lobo “aparecia” a mãe repetia a mesma fala. Aos poucos, o lobo foi visitando-a cada vez menos, até que ele “desapareceu” da vida da menina.

Este é um exemplo de intervenção bastante simples, que costuma funcionar com as crianças pequenas porque valida seu temor ao mesmo tempo em que acolhe sua angústia.

Em Leiturinhas, encontramos algumas ideias que inspiram diálogos como o dessa mãe com a filha e o lobo. Vale muito a pena conferir!

Bicho papão não é um bicho de sete cabeças se brincarmos com ele!

bicho papinho

Aqui você encontra dicas de livros infantis que falam sobre medos.

Dificuldades na comunicação entre pais e filhos

Tenho uma filha de 4 anos e 9 meses. Desde que ela começou a se comunicar e perceber o mundo a sua volta, meu marido e eu temos tido grande dificuldade de conseguir sua atenção prontamente. Às vezes entendemos que é porque ela está com sua atenção em uma coisa e não ouve mesmo o que falamos;  outras vezes, temos a impressão de que ela não quer ouvir, quer fazer o que quer e pronto. Já tentamos de tudo. Não acreditamos no behaviorismo da Supernanny, mas tentamos dar “advertências”, contar até três, punir tirando a TV ou por no “time-out”, mesmo não acreditando que esse seja o caminho.

Bem recentemente comecei a trabalhar em uma escola de idiomas para crianças que trabalha muito com reforço positivo. Consegui, pela primeira vez, na aula passada, lidar com um aluno que vinha dando problemas com sua atitude. Reforçando suas qualidades, ele parou de ter atitude de bully e finalizou a aula feliz e calmo.

Seria essa a melhor alternativa para com minha filha? Não sei muito a respeito ainda, principalmente quando se trata de nossos filhos e lidamos com eles no dia a dia, 24 horas por dia. A rotina apressada, eventualmente, deixa-nos estressados, levando-nos algumas vezes a perder a paciência e dar-lhe broncas. Apesar de essas situações serem bem esporádicas, tenho receio do impacto dessas broncas nas crianças. Qual o melhor caminho a percorrer?

A questão desta mãe apresenta um aspecto muito importante da relação pais-filhos: a comunicação. Quando o bebê nasce, ele se comunica com o mundo através de gestos e choros. Em contrapartida, o mundo se comunica com ele através de atitudes e palavras.

Embora a comunicação não verbal perpasse todas as relações humanas, quando as crianças começam a falar, as palavras ganham tanta importância que essa forma de comunicação vai sendo pouco observada e esquecida. Como resultado, as mensagens podem se tornar ambíguas e obscuras, encobrindo dificuldades que por ventura possam existir.

Compreender o que o outro comunica não é tarefa fácil, especialmente quando se trata de crianças. A criança, nem sempre tem clareza do que quer, deseja e precisa. Daí a necessidade de os pais estarem ainda mais atentos e conectados à comunicação não verbal de seus filhos – ou de outras crianças, como no exemplo desta professora e seu aluno. A comunicação é uma via de mão dupla. Na medida em que se compreende a necessidade da criança e esta compreende a nossa, as partes envolvidas podem entrar em conexão. Nesse sentido, o que vale não é a técnica utilizada, como o reforço positivo, mas o olhar atento às necessidades de cada envolvido na “conversa”.

Numa conversa entre pais e filhos não basta querer/esperar que a criança nos escute; temos que ouvi-las também. Não basta querer/esperar que elas nos olhem e nos deem atenção; é preciso que compreendamos suas solicitações. Em muitos casos, a questão central não é a criança entender algo, mas sim ser entendida pelo outro.

Comunicar é nomear, é se posicionar e identificar a si e ao outro a quem nos referimos. Quando isso não acontece, a comunicação falha.

Na relação entre pais e filhos, um dos sinalizadores de que a comunicação está falhando é presença contínua de silêncios, broncas, castigos, punições, agressões e outras formas de violência. Parte desse cenário pode ser atribuída ao tempo apressado que pede respostas imediatas. Assim como dizemos que as crianças não sabem esperar, nessas situações exigimos que elas respondam prontamente à nossa fala, pedido e/ou ordem, esquecendo-nos que o tempo e a forma como as crianças se expressam pode ser menos acelerado do que nossa cultura tem requerido.

Quando percebemos que há desconexão na comunicação entre pais e filhos é preciso tentar captar sua origem. Partindo da situação apresentada por esta mãe, levanto algumas hipóteses do que pode estar gerando a atitude da menina em não “ouvir” os pais:

1) Concentração em uma atividade – sem dúvida a idade dos 56 anos é um momento no qual a criança tem sua curiosidade aguçada e, naturalmente, vai ampliando suas explorações ao mundo e descobertas. Com isso, sua atenção e escuta foca-se no que está fazendo e explorando, podendo desviar-se daquilo que não lhe chama a atenção, como a fala dos pais.

2) Dificuldade com a mudança de foco – algumas crianças precisam de um tempo maior para fazer a transição de uma atividade para outra, e da ajuda dos adultos para entender o sentido de cada coisa que lhe é apresentada. Precisam, ainda, ser comunicadas antecipadamente sobre o que vai acontecer com elas e com seu entorno, para que possam digerir com calma o que lhes é solicitado.

3)  Foco em seu mundo interno – voltada para si, a criança nem sempre percebe o que vem de fora, ficando brava e desobedecendo quando é interrompida. Por isso, os pais precisam permitir e respeitar o espaço e a necessidade da criança de voltar-se para si, chamando-lhe aos poucos sua atenção para a realidade externa e seus afazeres.

4) Exigências que ainda, ou naquele instante, é incapaz de responder conforme solicitado – as crianças selecionam sua escuta de acordo com o que é capaz de lidar, adequando-se gradualmente ao que lhe é socialmente exigido.

Em todo comportamento, fala ou ausência dela, faz-se necessário questionar o que a criança está querendo comunicar, assim como é essencial que os pais possam refletir o quanto seus comportamentos, falas ou ausência delas podem estar interferindo na relação e comunicação com seus filhos. Mesmo com a vida apressada e estressante, é possível que pais e filhos se escutem mutuamente? Há um olhar para a criança e percepção de como ela está, o que a interessa e o que ela está vivendo e sentindo? O diálogo é acessível e respeitoso? Existem muitas regras e exigências para com ela, tolhendo suas expressões e manifestações? Em que momentos a criança responde positivamente?

Buscar respostas a essas perguntas permite o esclarecimento dos pensamentos e sentimentos embutidos em cada ação, podendo criar um diálogo revelador que costuma aproximar pais e filhos e diminuir os embates entre eles.

%d blogueiros gostam disto: